Pular para o conteúdo principal

Proposta de Avaliação


PROPOSTA DE AVALIAÇÃO PARA ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

(PUC-RS) Texto para as questões 1 e 2:


INSTRUÇÃO: Responder às questões 01 e 02 com base nas afirmativas sobre o texto.

01..
I. A tira de Quino constitui uma narrativa porque é marcada pela presença de um narrador.
II. Entre o segundo e o terceiro quadrinho há uma relação de causa – consequência.
III. A ação se desenvolve a partir do confronto entre os pontos de vista das personagens.
IV. Há uma transformação que se opera no interior da personagem principal.

Pela análise das afirmativas, conclui-se que estão corretas apenas
A) I e II.
B) I e IV.
C) II e III.
D) I, III e IV.
E) II, III e IV.


02..
I. Não obstante a diferença na pontuação, todas as frases proferidas pelas personagens têm valor exclamativo.
II. No primeiro quadrinho, o verbo “chegar” está empregado no sentido de “ter início” e não exige complemento.
III. No segundo quadrinho, o verbo “chegar” significa “atingir” e exige um complemento introduzido por preposição.
IV. O processo que distingue “chegar a primavera” de “chegar à primavera” equivale ao verificado em “chegar o fim” e “chegar ao fim”.

Pela análise das afirmativas, conclui-se que estão corretas
A) I e II, apenas.
B) I e IV, apenas.
C) III e IV, apenas.
D) I, II e III, apenas.
E) I, II, III e IV.


(IFCE) Questões 03 e 04
A EFICÁCIA DAS PALAVRAS CERTAS
A história abaixo é conhecida entre os publicitários e ilustra o poder persuasivo das palavras certas.

            Havia um cego sentado numa calçada em Paris. A seus pés, um boné e um cartaz em madeira escrito com giz branco que gritava: “Por favor, ajude-me. Sou cego.” Um publicitário da área de criação, que passava em frente a ele, parou e viu umas poucas moedas no boné. Sem pedir licença, pegou o cartaz e com o giz escreveu outra mensagem. Colocou o pedaço de madeira aos pés do cego e foi embora.
            Ao cair da tarde, o publicitário voltou a passar em frente ao cego que pedia esmola. Seu boné, agora, estava cheio de notas e moedas. O cego reconheceu as pisadas do publicitário e perguntou se havia sido ele quem reescrevera o cartaz, sobretudo querendo saber o que ele havia escrito.
            O publicitário respondeu: “Nada que não esteja de acordo com a ideia original, mas com outras palavras.” E, sorrindo, continuou o seu caminho. O cego nunca soube o que estava escrito, mas seu novo cartaz dizia: “Hoje é primavera em Paris e eu não posso vê-la.”
Disponível em: <http://www.portaldapropaganda.com/marketing/meu_conceito/2004/07/0001>. Acesso em 14 maio 2007.

03. O objetivo central do texto é mostrar que
A) a vida dos mendigos em Paris é muito difícil.
B) os publicitários geralmente são pessoas generosas.
C) os cegos são pessoas muito solitárias.
D) o uso de palavras adequadas faz as pessoas se comoverem e ajudarem os mais necessitados.
E) a primavera na França é a estação mais bela do ano


04. “Nada que não esteja de acordo com a ideia original, mas com outras palavras.” A palavra destacada pode ser substituída, sem causar prejuízo para o entendimento do texto, por
A) inicial.
B) nova.
C) secundária.
D) especial.
E) magnífica




5. A respeito da palavra que, um aluno fez as seguintes afirmações:
I. É uma palavra de duas sílabas, porque tem duas vogais.
II. O u é uma semivogal.
III. Trata-se de uma palavra cuja base é a vogal u.
IV. O u não é fonema, pois não é pronunciado; ele é apenas uma das duas letras que formam o dígrafo qu.
V. Trata-se de uma palavra formada por três letras e dois fonemas.

Qual(is) dessas afirmações o aluno acertou?

a)      IV
b)      IV e V
c)      I
d)     II e III
e)      III


Considere a placa de estrada.
SEJA PACIENTE NO TRÂNSITO
PARA NÃO SER PACIENTE NO HOSPITAL

06. Aponte a classe gramatical da palavra paciente nas duas ocorrências.

a) Na primeira ocorrência, paciente é substantivo; na segunda, adjetivo.
b) Na primeira ocorrência, paciente é advérbio; na segunda, substantivo.
c) Na primeira ocorrência, paciente é adjetivo; na segunda, advérbio.
d) Na primeira ocorrência, paciente é pronome; na segunda, advérbio.
e) Na primeira ocorrência, paciente é adjetivo; na segunda, substantivo.


O texto a seguir descreve um ambiente rural castigado por uma terrível seca. Leia-o e responda às questões 7, 8 e 9.
            Novamente a cavalo [...], Vicente marchava através da estrada vermelha e pedregosa, orlada pela galharia negra da caatinga morta. Os cascos dos animais pareciam tirar fogo dos seixos do caminho. Lagartixas davam carreirinhas intermitentes por cima das folhas secas no chão que estalavam como papel queimado.
            O céu, transparente que doía, vibrava, tremendo feito uma gaze repuxada. [...]
            Verde, na monotonia cinzenta da paisagem, só algum juazeiro [...]; mas em geral as pobres árvores apareciam lamentáveis, mostrando os cotos dos galhos como membros amputados e a casca toda raspada em grandes zonas brancas.
Rachel de Queiroz. O quinze. Rio de Janeiro, José Olympio, 1988.

7. Como você pode observar, o texto faz uso de uma intensa adjetivação. A alternativa que contém todos os adjetivos do primeiro parágrafo é

a)      Vermelha, pedregosa, negra, morta, intermitentes, secas, queimado.
b)      Cavalo, pedregosa, negra, galharia, intermitentes, queimado.
c)      Estrada, orlada, galharia, caatinga, cascos, animais.
d)     Vermelha, negra, morta, animais, seixos, carreirinhas, secas.
e)      Cavalo, pedregosa, negra, morta, chão, queimado.

8. Assinale os adjetivos que de forma mais expressiva levam o leitor a imaginar as consequências trágicas da seca para o ambiente descrito.

a)      Vermelha, verde, branca.
b)      Intermitente, transparente, morta.
c)      Pedregosa, cinzenta, grandes.
d)     Verde, lamentáveis, grandes.
e)      Negra, queimada, cinzenta.

9. A posição mais comum do adjetivo é depois do substantivo. No entanto, há adjetivos que, quando empregados antes do substantivo, adquirem um significado diferente daquele que geralmente têm. Logo, qual a função do uso do adjetivo na expressão “pobres árvores”?

a)      O adjetivo pobre normalmente significa “desprovido de recursos”; mas, anteposto ao substantivo, também tem o mesmo significado.
b)      O adjetivo pobre normalmente significa “desprovido de recursos”; mas, anteposto ao substantivo, significa “coitado, infeliz”
c)      O adjetivo pobre sempre significará “desprovido de recursos”; mas, em alguns contextos pode significar “coitado, infeliz” independentemente da posição dele junto ao substantivo.
d)     O adjetivo pobre significa “coitado, infeliz”; mas, anteposto ao substantivo, também tem o significado de “desprovido de recursos”.
e)      O adjetivo pobre significa “coitado, infeliz” por causa do envolvimento emocional e imposição da autora com o elemento descritivo.

10. No uso dos pronomes demonstrativos nas frases abaixo:
I. Quanto custa __________ revista que está em sua mão?
II. Muita gente pensa que _______ pontinhos vermelhos lá no céu são estrelas; na verdade, são satélites artificiais.
III. A palavra de que os alunos mais gostam é _________: férias.
IV. “Nós nos veremos em breve.” Com ___________ frase, o major se despediu.

A alternativa que tem a sequência correta é
a)      Essa – aqueles – essa – essa
b)      Esta – esses – essa - esta
c)      Essa – aqueles – esta – essa
d)     Esta – esses – esta – essa
e)      Aquela – estes – essa – esta

11. (FUVEST-SP) Era para ___ falar ___ ontem, nas não ___ encontrei em parte alguma.

A) mim – consigo – o
B) eu – com ele – lhe
C) mim – consigo – lhe
D) mim – contigo – te
E) eu – com ele – o


12. Em todos os trechos que se seguem a partícula A foi empregada. Assinale a alternativa em cujo período se dá a ocorrência do termo em destaque, funcionando morfologicamente como preposição:

A) Aquele que tem nas mãos uma arma, limpa-a com uma flanela.
B) Da minha janela os vejo: dois policiais a cinquenta metros, lá em baixo.
C) E, de novo, com a flanela...
D) Ele a faz girar no dedo como naqueles filmes de caubói...
E) Falam talvez da escala de serviço.


13. Considere as frases abaixo.
I. “Foi como se a gente soubesse que de repente [...]”
II. “[..] talvez palavras de um poeta antigo. [..]”
III. Com certeza aquelas palavras lhe fizeram bem.
IV. Ele estava meio triste naquela tarde.

A alternativa que expressa, respectivamente, as circunstâncias adverbiais é

A) temporalidade – temporalidade – modalidade – negação
B) temporalidade – dúvida – afirmação – intensidade
C) modalidade – dúvida – modalidade – temporalidade
D) modalidade – temporalidade – modalidade – temporalidade
E) temporalidade – dúvida – afirmação – dúvida

14. (CESMAC-AL) As manhãs da primavera são as mais agradáveis aos poetas.

A) preposição, artigo, pronome e artigo
B) pronome, artigo, preposição e artigo
C) artigo, preposição, artigo e pronome
D) artigo, artigo, pronome e preposição

15. (IFRJ) Marque a alternativa na qual o vocábulo destacado retoma um termo anteriormente expresso.

a)      [...] o usufruto de direitos que lhe permitem participar da vida política e social da comunidade [...].
b)      A justiça é a maneira de se reconhecer que todos são iguais perante a lei [...].
c)      Esse ideal passou a ser proclamado de uma forma tão ampla e difusa que parece ter se transformado num princípio ético-político [...].
d)     É claro que tanto a responsabilidade educativa da mídia [...]



GABARITO
1. E ; 2. E ; 3. D ; 4. A ; 5. B ; 6. E ; 7. A ; 8. E ; 9. B; 10. C ; 11. E ; 12. B ; 13. B; 14. D ; 15. A.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relato Pessoal: produção textual

Relato Pessoal: uma proposta em sala de aula

Texto 1: O coração roubado, de Marcos Rey

Eu cursava o último ano do primário e como já estava com o diplominha garantido, meu pai me deu um presente muito cobiçado: O coração, famoso livro do escritor italiano Edmondo de Amicis, best-seller mundial do gênero infanto-juvenil. Na página de abertura lá estava a dedicatória do velho, com sua inconfundível letra esparramada. Como todos os garotos da época, apaixonei-me por aquela obra-prima e tanto que a levava ao grupo escolar da Barra Funda para reler trechos no recreio.         Justamente no último dia de aula, o das despedidas, depois da festinha de formatura, voltei para a classe a fim de reunir meus cadernos e objetos escolares, antes do adeus. Mas onde estava O coração? Onde? Desaparecera. Tremendo choque. Algum colega na certa o furtara. Não teria coragem de parecer em casa sem ele. Ia informar à diretora quando, passando pelas carteiras, vi a lombada do livro, bem escondido sob uma pasta…

Avaliação de Interpretação Textual

Relato Pessoal