Pular para o conteúdo principal

Pronomes Demonstrativos




Pronomes Demonstrativos

Resultado de imagem para pronomes demonstrativos


Uso dos demonstrativos
No espaço:
Este(s), esta(s), isto indicam o que está perto da pessoa que fala.
Esse(s), essa(s) isso indicam o que está perto da pessoa com quem se fala.
Aquele(s), aquela(s), aquilo indicam o que está distante tanto da pessoa que fala como da pessoa com quem se fala.

No tempo:
Este(s), esta(s), isto indicam o tempo presente em relação à pessoa que fala.
Esse(s), essa(s) isso indicam o tempo passado ou futuro, mas relativamente próximo à época em que se situa a pessoa que fala.
Aquele(s), aquela(s), aquilo indicam um afastamento no tempo, referido de modo vago ou como tempo remoto.
  
 Em relação ao falado ou escrito ou ao que se vai falar ou escrever:
Este(s), esta(s), isto são empregados quando se quer fazer referência a alguma coisa sobre a qual ainda se vai falar.
Esse(s), essa(s) isso são empregados quando se quer fazer referência a alguma coisa sobre a qual já se falou.
Aquele(s), aquela(s), aquilo são empregados quando se faz referência a termos já mencionados, aquele para o referido 1º e este para o último referido.
Pronomes Demonstrativos e espaço



  Explique o uso do pronome na construção de sentido da tirinha.








Explique o uso dos pronomes demonstrativos na tira.





Empregue os pronomes demonstrativos adequados:
A) ___ anel ficou largo depois que emagreci.
B) ___ classe em que estou todos me querem bem.
C) Conheço ___ menina que passou.
D) Estudar em véspera de prova não dá certo, e __ todos deveriam saber.
  E) __ bolsa que você está usando é linda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relato Pessoal: produção textual

Relato Pessoal: uma proposta em sala de aula

Texto 1: O coração roubado, de Marcos Rey

Eu cursava o último ano do primário e como já estava com o diplominha garantido, meu pai me deu um presente muito cobiçado: O coração, famoso livro do escritor italiano Edmondo de Amicis, best-seller mundial do gênero infanto-juvenil. Na página de abertura lá estava a dedicatória do velho, com sua inconfundível letra esparramada. Como todos os garotos da época, apaixonei-me por aquela obra-prima e tanto que a levava ao grupo escolar da Barra Funda para reler trechos no recreio.         Justamente no último dia de aula, o das despedidas, depois da festinha de formatura, voltei para a classe a fim de reunir meus cadernos e objetos escolares, antes do adeus. Mas onde estava O coração? Onde? Desaparecera. Tremendo choque. Algum colega na certa o furtara. Não teria coragem de parecer em casa sem ele. Ia informar à diretora quando, passando pelas carteiras, vi a lombada do livro, bem escondido sob uma pasta…

Avaliação de Interpretação Textual

ARTIGO E NUMERAL